29 de out de 2017

Ontem morreram quase 300 pessoas

No Brasil temos cerca de 300 mortes por dia decorrentes da violência e de acidentes de trânsito. Mais do que qualquer atentado, mais do que qualquer doença, mais do que qualquer guerra contemporânea. São trezentas vidas perdidas por dia, mais de 100 mil por ano.

Esse é mais um daqueles problemas que não discutimos nas rodas de conversa com amigos. Também não tocamos no assunto durante a campanha eleitoral, quando os políticos visitam nossas casas e simulam alguma empatia. É mais um problema que parece não incomodar ninguém, exatamente como esses outros abaixo. 
  • Cerca de 40 mil mortes por acidentes de trânsito por ano;
  • Cerca de 60 mil assassinatos por ano;
  • Mais de 500 mil vítimas graves de acidentes de trânsito, sendo que 352 mil ficam com invalidez permanente (fonte 1/fonte 2);
  • Mais 500 mil roubos de veículos por ano no Brasil;
  • Mais de 130 mil roubos e furtos só no Ceará (fonte);
  • Congresso mais preocupado com os próprios problemas do que com a defesa dos interesses do povo;
  • Cerca de 500 policiais mortos por ano, quase 100 só no Rio de Janeiro (fonte1/fonte 2);
  • Judiciário prejudicando o trabalho da polícia (fonte 1/fonte 2/fonte 3);
  • Violência crescente, com visível aumento no número de assaltos e roubos feitos por menores de idade;
  • Em vez de punir exemplarmente os maníacos do transporte público, como aquele que ejaculou em várias mulheres, Judiciário prefere colocá-los em "cursos de reciclagem" (fonte);
  • Mais de cinquenta bilhões desviados da Petrobras (fonte);
  • R$ 8.300.000.000,00 gastos com estádios para a Copa de 2014, sendo que boa parte deles é subutilizada ou está degrado (fonte 1/fonte 2);
  • Milhões de reais de dinheiro público gastos com Carnaval (fonte);
  • Mais de R$ 2.000.000.000.000,00 (2 trilhões) em impostos arrecadados anualmente, sendo que quase 40% pagos pelo estado de São Paulo (fonte); 
  • SUS joga no lixo milhões em remédios (fonte);
  • Sistema educacional padronizado que empurra os jovens pobres para o desemprego e para o crime por não prepará-los para o mercado e nem para a cidadania (fonte 1/fonte 2/fonte 3);
  • Universitários que têm dificuldade para ler textos pequenos e resolver cálculos simples (fonte);
  • E o problema não é falta de recursos, mas de gestão responsável (fonte 1/fonte 2);
  • Vereadores ganhando mais de R$ 5 mil por mês em municípios extremamente pobres (fonte);
  • Vereadores que ganham mais de R$ 21 mil e têm direito a diversos benefícios. E apesar de ganharem tanto, boa parte do que fazem é inútil (fonte 1/fonte 2/fonte 3/fonte 4);
  • População reclama do presidente, do senador, dos deputados, do governador, do prefeito e do vereador, mas sequer lembra em quem votou na eleição passada (fonte);
  • Mais de 600 mil presidiários que geram custos enormes e continuam cometendo crimes — quase metade deles sequer passaram por julgamento (fonte 1/fonte 2);
  • Bilhões gastos com publicidade estatal (fonte);
  • Pouca ou nenhuma preocupação com o gestão correta do lixo, fato que irá gerar problemas sérios no futuro próximo (fonte);
  • População que não sabe combater o mosquito Aedes Aegypti (fonte);
  • Metade dos brasileiros sem esgoto (fonte);
  • Milhares de obras inacabadas que geraram custos extraordinários e nunca beneficiarão a população;
O título deste texto parece sensacionalista, mas é verdade. Trezentos ontem, trezentos hoje, trezentos amanhã, e nós não nos importamos muito com isso. Chega de apenas querer que só os políticos façam, precisamos mudar nossas atitudes. Não é obrigação dos políticos dirigir nossos carros com segurança, nos proteger dos acidentes de moto, educar nossos filhos, estudar para ter um bom futuro, não se envolver com o crime etc.

Todos os nossos problemas sociais refletem nosso descaso para com eles. A cada dia há mais pessoas morrendo no trânsito, criminosos nas ruas, lixo acumulado, doenças virais, dinheiro do povo desperdiçado e MENOS qualidade de vida. Precisamos repensar nosso papel na sociedade, precisamos AGIR.

Em 2018 teremos eleição novamente, é bastante desejável ver eleitores menos apaixonados pelos candidatos e mais preocupados com o Brasil.

Este texto foi produzido para a campanha Motociclista do Bem. Saiba mais no blog oficial.

19 de set de 2017

Vídeo sobre cruzamentos passa das 19 mil visualizações



O vídeo sobre cruzamentos (disponível no YouTube aqui) alcançou passou a marca de 19 mil visualizações, sendo maior parte delas na página de humor parnaibana PHB is dead. Agradeço imensamente o apoio da equipe, em especial ao Rodrigo.

Nos próximos dias devo gravar outros dois vídeos, em formato vlogger.

Att,

Diego Menezes

6 de mai de 2017

Capacete barato? Não, obrigado


O sujeito vai na concessionária e compra uma moto de R$ 10 mil, mas na hora de comprar um capacete procura daqueles que custam menos de R$ 100. Faz sentido? Não faz. Capacetes duram muito e têm uma utilidade nobre, proteger a cabeça. É mais importante que um iPhone de última geração, que uma camiseta Lacoste ou mesmo que aquele monte de pizza que comemos durante o ano inteiro (somadas passam dos R$ 500). Bem, se é tão importante, tem que ser bom. 

Nesses dias estou à procura de um casco novo e entre as opções coloquei as marcas LS2, Zeus, Bell (tem uns em conta) e talvez AGV (achei por menos de R$ 900). Quero algo em torno de R$ 500, para ser usado com scooter e apenas na cidade. Gostei do Bell Qualifier DLX Devil May Care Matte verde fosco, me lembra os aviões da Segunda Guerra, assunto que aprecio. Alguns da LS2 e da Zeus também parecem legais, mas o que realmente me impressionou foi o AGV K3 Mugello, o da foto abaixo.

Não vejo motivo para alguém economizar na compra de capacete. Fico impressionado com a quantidade de gente andando de Bros 160 usando Taurus ou outros ainda piores. Parece que as pessoas ainda pensam que capacete deve ser usado apenas para evitar multas.


4 de mai de 2017

Nosso trânsito é uma guerra velada

Em 2015 a seguradora responsável pelo DPVAT pagou 42 mil indenizações por morte e 515 mil por invalidez permanente. Nosso trânsito é mortífero como uma guerra, onera o sistema de saúde e gera um pesado custo social. Infelizmente temos dado pouca atenção a esse fato e a redução desses números segue lentamente.

O Piauí tem a maior taxa de óbito por 100 mil habitantes do Nordeste e uma das maiores do Brasil. Nosso país fica atrás de México, Argentina e até da Rússia, mundialmente conhecida pelo tráfego violento. É algo preocupante, principalmente se for considerado a educação do povo, a qualidade das vias e dos automóveis.

A maior vítima é o motociclista, 76% das indenizações do DPVAT são a eles destinadas. Nosso estado pode reverter essa situação. O governo pode e deve fazer sua parte de cuidar e fiscalizar, mas quem deve realmente promover a segurança é o motorista, é o motociclista. É inaceitável que continuemos perdendo vidas, perdendo profissionais que deixam o mercado de trabalho, perdendo pais, crianças e adolescentes.

O projeto Motociclista do Bem surgiu inspirado em programas europeus como o Década de Ações pela Segurança Viária da Fundação FIA, Visão Zero do governo sueco e em recomendações da Organização Mundial de Saúde. É voltado aos motociclistas, mas através de sua campanha De Bem com o Trânsito atinge também pedestres, ciclistas e motoristas.


1 de mai de 2017

Pergunta do dia: Moto rebaixada é mais perigosa?

Além de proporcionar rodar confortável, a suspensão serve também para manter a moto estável em relação aos desníveis do pavimento, absorver impactos e manter os pneus em contato constante com o solo.

Com uma suspensão travada é impossível fazer dosagem de pressão nos freios em frenagem de emergência, visto que os pneus tendem a quicar e reduzir o atrito. Assim, o espaço de frenagem é prolongado.

Nas curvas os pedais podem tocar o solo e causar desequilíbrio. No mais, devido à impossibilidade de inclinar naturalmente, uma simples manobra de desvio pode levar à queda.

29 de abr de 2017

Campanha "De Bem com o Trânsito"



A partir da primeira segunda-feira de Maio de 2017 iniciaremos a distribuição da campanha De Bem com o Trânsito, composta por cinco vídeos e textos e divulgadas em nosso canal no YouTube e em grupo de canais parceiros, formado por sites e blogs de notícias regionais.

Os cinco vídeos abordarão conteúdos distintos e relacionados às maiores causas de acidentes de trânsito. Serão complementados por textos breves e serão distribuídos ainda por WhatsApp, via grupo próprio e parceiros da cidade de Parnaíba. Interessados em participar do grupo devem enviar número de telefone para formulário de contato no canto inferior desta página.

Inicialmente os sites e blogs parceiros foram convidados, mas eventuais voluntários poderão juntar-se ao grupo tranquilamente, bastando solicitar o conteúdo pelo mesmo formulário. Salientamos que a divulgação do conteúdo demonstra preocupação com uma causa tão nobre quanto o movimento pela redução da violência no trânsito.

Distribuição de DVDs

Após a publicação de todos os vídeos em nosso canal no YouTube, produziremos DVDs para distribuição no trânsito, inicialmente na cidade de Parnaíba-PI. Disponibilizaremos ainda, na capa do próprio disco, link para grupo no WhatsApp e para download de imagem de disco.